“A ideia de ciência, a ideia de tecnologia e a ideia de mercado global devem ser encaradas conjuntamente e desse modo podem oferecer uma nova interpretação à questão ecológica, já que os impactos que ocorrem na natureza se subordinam a essa lógica”.

Milton Santos, geógrafo e pensador brasileiro


 

As inscrições para a quarta edição do PLANETA.doc serão abertas em breve no site: 

https://filmfreeway.com/festival/PlanetaDoc

 

Podem ser inscritos:

1. Filmes Documentários de curta, média ou longa-metragem

2. Programas e Séries de TV

3. Animações de curta, média e longa-metragem

4. Filmes de Ficção de curta, média ou longa-metragem vinculados à temática socioambiental

 

Principais Temáticas de  Interesse


SESSÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA

Energia – Problemas e Soluções Mobilidade Urbana – Problemas e Soluções Construções Sustentáveis – Problemas e Soluções



Cidades Sustentáveis – A nova urbanidade Produção de alimentos Lixo e Reciclagem
     
Biodesign Biotecnologia e nanotecnologia Engenharia genética
     
SESSÃO NATUREZA    
     
Água Ar e Clima Oceanos
     
Florestas Ecossistemas e Habitats Expedições
     
Biodiversidade Geologia Mundo microscópico
     
SESSÃO SOCIEDADE E GOVERNANÇA
     
Movimentos sociais
e organizações ambientalistas
Intervenções: Políticas públicas e
Projetos Socioambientais  
Povos Tradicionais e
Conhecimentos Ancestrais
     
   
Antropologia no
Mundo Contemporâneo 
   
     
PREMIAÇÕES
   
     

Prêmio Planeta.Doc Brasil

Destinado aos  melhores filmes socioambientais brasileiros

Prêmio Planeta.doc Internacional

Destinado aos mellhores filmes socioambientais     do mundo

Prêmio Cidades Humanas

Destinado aos melhores documentários e animações sobre sustentabilidade urbana.

     

   
     

 


“...No sorprende la insistencia de enfoques parciales y hasta ingenuos para acercarse a la crisis de sustentabilidad del desarrollo. Enfoques que se han caracterizado por tratar los desafíos socio-ambientales a partir de una visión de la organización social que, además de fragmentada es excesivamente economicista y crematística, y supone relaciones simétricas entre el ser humano y la naturaleza”. “...La realidad actual impone superar tales enfoques y sustituirlos por el reconocimiento de que los problemas de insustentabilidad relevan disfunciones de carácter social y político (los padrones de relación entre seres humanos, y la forma como está organizada la sociedad en su conjunto) y son el resultado de distorsiones estructurales en el funcionamiento de la economía (los patrones de consumo de la sociedad y la forma como ésta se organiza para satisfacerlos)”  

 Roberto Guimarães, 2003 

                                                                                      Fuente: Estilos de desarrollo y medio ambiente en America Latina, un cuarto de siglo después, CEPAL, p.20